30 de novembro de 2013

Calda Fermentada de Plantas (CFP)

Fertilizante líquido rico em microrganismos, fitohormônios e nutrientes

A Calda Fermentado de Plantas (CFP) é uma forma de extrair clorofila e a seiva celular (fonte de hormônios vegetais, aminoácidos, dentre outros) das plantas, além de também propagar os microrganismos benéficos que potencializam os efeitos das substancias extraídas, tornando a calda um produto vivo, possuidor de ação terapêutica e fisiológica.

Na superfície das folhas das plantas vivem cerca de 100 mil a 150 mil microrganismos por 1cm2. A grande maioria são lactobacilos e leveduras benéficas que contribuem para o desenvolvimento saudável das plantas.

Para se extrair a seiva das plantas é necessário utilizar açúcar que age gerando uma pressão osmótica no tecido vegetal, rompendo-o e extraindo os seus fluidos. A clorofila extrai-se utilizado álcool em baixa diluição.

Os microrganismos contidos na superfície das folhas da própria planta, juntamente com o açúcar, irão fermentar. Essa fermentação gera uma pequena quantidade de álcool, que extrairá a clorofila. Também pela fermentação, as substancias que compõem as plantas são "quebradas" em pequenas moléculas, através de enzimas produzidas pelos microrganismos. Ao optarmos pelo açúcar mascavo também agregamos cálcio, magnésio e potássio a nossa calda. O resultado final é uma calda com substancias biodisponível, de fácil e rápida absorção para as plantas.

1 - Benefícios do uso da CFP:
- estimula a flora microbiana protetora das plantas, aumentando sua resistência ao ataque de pragas e doenças;
- estimula o processo fotosintético nas plantas;
- revitaliza a flora microbiana benéfica do solo e recuperar a fertilidade do mesmo;
- acelera a decomposição de matéria orgânica;
- melhora o enraizamento das plantas, estimulando o crescimento radicular;
- melhora o estado sanitário do cultivo;
- eleva a concentração de açúcar em frutas, em 1 ou 2 graus brix, melhorando seu sabor;
- contribui para prevenir o caimento de frutos;
- aumenta o conteúdo de vitaminas, minerais e outras substancias em hortaliças;
- incrementa a flora intestinal dos animais, melhorando sua digestão e, conseqüentemente, a absorção de nutrientes.

2 - Processos de extração da CFP:
Existem 2 processos que podem ser usados para extrair a CFP:
a -utilizando os microrganismos contidos na própria planta;
b -utilizando uma colônia de microrganismos benéficos já cultivado, como por exemplo EM.

Descreveremos aqui o primeiro método. Em outro artigo será descrito o segundo método.

3 - Quais plantas podemos usar

Para selecionar quais plantas devemos usar, para produzir a CFP, devemos observar os critérios abaixo:
a - utilize somente partes de plantas que nunca tenham recebido pulverização de veneno agrícola;
b - jamais utilize plantas que estejam doentes, com partes amareladas ou atacada por pragas;
c - escolher plantas que crescem rapidamente (artemísia, broto de bambu, abóbora, bananeira, caruru, etc)
d - plantas que são e estão vigorosas;
e - utilizar os brotos das plantas, folhas jovens, brotações laterais, ponteiros e flores novas (contém mais hormônios de crescimento e energia do que outras partes das plantas);
f - ervas de reconhecido valor medicinal são bem vindas na produção do CFP (camomila, funcho, etc);
g - plantas marinhas, como as algas, também são bem vindas.

4 - Como colher as plantas:
Para que tenhamos um produto de maior qualidade, observamos os critérios abaixo na hora da colheita da plantas:
a - Se possível, colher antes do nascer do sol. Esse é o período em que a planta apresenta maior quantidade de nutrientes e de maior vitalidade. Quando o sol nasce, inicia-se a fotossíntese e a energia da planta e parcialmente armazenada no caule e nas folhas. No fim da tarde, mais ou menos a partir das 15-16 horas, a planta inicia o catabolismo, armazenando a energia de forma intensiva;
b - Se não for possível colher antes do nascer do sol, colher o mais cedo possível, antes que os raios solares incidam sobre as plantas;
c - Processar imediatamente o material colhido, para que não aja perda de energia;
d - Evitar colher em períodos de estiagem prolongados. Se for realmente necessário produzir CFP em épocas de longa estiagem, regue a planta escolhida 1 vez por dia, durante 2 dias antes da colheita.
e - Evitar colher em períodos de chuva prolongada, pois a chuva "lava" os microrganismos benéficos das folhas. É aconselhável colher as folhas 2 a 3 dias após a chuva;
f - Não misture muitos tipos de plantas de uma vez, escolha no máximo 3 variedades;
g - não utilizar plantas que crescem ao lado de rodovias e vias públicas.

Confrei e alfafa, colhidos segundo os critérios acima, para extração de CFP

5- Montagem do extrator da calda:
Material:
a - 1 garrafa PET de 2 litros ou mais, sem tampa;
b - papel filtro do diâmetro da garrafa PET;
c - peso de papel ou outro material pesado;
d - pedaço de pano, ou de papel, com diâmetro pouco maior que a garrafa PET;
e - gomas elásticas;
f - fita adesiva para embalagem.
Extrator de CFP já pronto com o papel filme no fundo do funil

Montagem:
a - cortar a garrafa PET em duas partes, de modo que tenhamos um jarro equivalente a, aproximadamente, 1/3 da parte inferior da garrafa, e um funil equivalente a, aproximadamente, 2/3 da parte superior da garrafa;
b - encaixar a parte do funil na parte do jarro, de forma que o bico do funil fique dentro do jarro;
c - colocar o papel filtro no fundo do funil.

6 - Procedimento de extração da CFP:
a - colher as folhas, flores ou brotos, suficientes para encher, com folga, o funil de PET;
b - não lavar, descascar ou remover o orvalho (caso tenha) do material colhido. Se o material colhido estiver sujo, chacoalhe-o para remover a sujeita;
d - picar imediatamente o material colhido, em pedaços de 5 a 10 cm;
e - pesar o material picado;
f - misturar açúcar mascavo ao material picado, na proporção de 10% a 40% do peso do material picado. Quanto mais úmido for o material picado, menos açúcar mascado deve-se mistura;
Folhas de bananeira e trevo já picados e misturados com açúcar mascavo.

g - passar a fita de embalagem na junção do jarro com o funil de PET, impedindo assim que o funil se movimente, a entrada de ar ou insetos;
h - colocar o material misturado dentro do funil de PET e colocar o peso de papel sobre o material;
i - colocar um pano/papel sobre a boca do funil de PET e usar as gomas elásticas para prender o pano/papel;

j - guardar o extrator de calda e um local com temperatura ambiente de 20º a 30º e a sombra;
k - após 12 horas, destampar o extrator, remover o peso de papel e tampar novamente o funil com o pano;
l - repetir o passo "i" acima e aguardar a fermentação de 5 a 15 dias;
m - após o período de fermentação, remover a fita adesiva e transferir a CFP para outro recipiente, conforme instruções do item 9 abaixo.
CFP extraído depois de alguns dias de fermentação

7 - Como verificar se a CFP está pronta:
- Quanto menor a temperatura, mais lenta a fermentação e mais dias deve-se aguardar para extração completa da calda. Um parâmetro médio é: temperatura por volta dos 27ºC/7 dias para fermentação;
- A calda extraída deve ter um odor que lembra fermentação, levemente agridoce para alcoólico;
- A cor varia de verde escuro a marrom, dependendo do material utilizado;
- A presença de fungos na superfície da calda (pequenos aglomerados brancos) também é normal e desejável.
CFP já fermentado

8 - Como usar o CFP:
Sempre utilizar água não clorada para a diluição da CFP. Utilize a solução para pulverizar ou regar as plantas.
- Tratamento pré-plantio de sementes: deixar as sementes de molho, de 10 a 30 minutos, em solução de 15 ml de CFP por litro de água (15:1000). Quanto mais dura a semente, mais tempo de molho;
- Preparo de solo e berço para o plantio: pulverizar solução de 30:1000 (30 ml, ou 2 colheres de sopa, de CFP por litro de água) sobre o solo ou berço já pronto, 5 dias antes do plantio;
- Plantas recém germinadas e brotos: solução de CFP a 5:1000,de 15 em 15 dias;
- Pulverização foliar e zona de raízes de plantas já estabelecidas: solução de CFP a 10:1000 de 15 em 15 dias, por 2 meses. Depois de 2 meses, solução de CFP a 5:1000 de 15 em 15 dias;
- Plantas em floração: solução de CFP a 1:1000, de 20 em 20 dias, até o primeiro sinal de frutificação ou até as flores murcharem;
- Plantas com frutas: solução de CFP a 1:1000 nas folhas e zona de raízes, de 15 em 15 dias. Nas frutas, aguarde as mesmas atingir seu tamanho máximo, antes de amadurecer, e pulverize-as com solução de CFP a 1:2000, 1 vez. ATENÇÂO: A CFP só deve ser aplicada diretamente em frutas que não forem produzidas para fins comercias, pois a solução de CFP, embora aumente o teor de açucar das frutas (brix), pode causa algumas manchas na casca das algumas variedades de frutas, como maça e pera, tornando-as menos atrativa para o comercio. Na dúvida, faça o teste em alguns frutos;
- antes da colheita: solução de CFP a 1:5000, 7 dias antes da colheita;
- composto e minhocário: pulverizar solução de CFP a 15:1000 de 15 em 15 dias;
- alimentação de animais: substituir a água dos animais por solução de CFP a 15:1000. Excelentes probiótico para aves e porcos.

A pulverização deve ser feita pela manhã, antes das 9h00 ou após a chuva, com o tempo ainda nublado.

CFP também pode ser usado sobre os resíduos de cultura que serão incorporados ao solo, melhorando assim as condições fitossanitárias do solo pós e pré-cultura.

A eficiência do EM-5 pode ser potencializada misturado-o ao CFP em igual proporção.

9 - Conservação do CFP:
Caso não for utilizar a calda imediatamente, armazene-a dentro de uma garrafa PET escura, de modo que a CFP ocupe, no máximo, 2/3 da garrafa. Acrescentar 5% (volume) de açúcar mascavo a calda e agitar bem. Com a tampa da garrafa frouxa, armazenar na parte baixa da geladeira (não na porta) por até 3 meses ou até começar a exalar cheiro fétido. Uma vez por semana agitar o conteúdo da garrafa. Duas semanas após colocar a CFP na geladeira, a tampa deve ser apertada.
CFP pronto para ser armazenado na geladeira

10 - Dicas:
- as primeiras plantas que brotam, logo após as chuvas, são outra boa opção para o preparo da CFP;
- plantas espontâneas (ditas daninhas) e plantas que ficam mais tempo verde no final do outono e que resistem bem ao inverno, são também uma ótima opção;
- os ponteiros e gemas das plantas, assim como brotações axilares dos ramos, são as partes mais ricas em nutrientes e hormônios de crescimento;
- extratos feitos de uma variedade só de planta são mais potentes, pois a fermentação se da mais por completa, já que a variedade da planta influi no tempo de fermentação;
- CFP de uma única planta, principalmente as feitas de brotos (ex.: CFP feito de broto de milho para pulverizar o milharal em formação), dão um resultado excepcional. Jojie Lim, filipina defensora e diceminadoras do uso do CFP, diz que "é como se dar leite materno a um bebê".
- plantas colhidas no período de lua cheia rendem mais calda;
- o material que sobrou da fermentação, que ficou no funil, pode ser colocado na composteira ou no minhocário como fonte de carbono;
- escreva sobre o pano/papel que tampa o fermentador a data de início da fermentação para facilitar o acompanhamento da data final do processo;
- se tiver problemas com formigas atacando o fermentador, coloque-o sobre um prato com água.

11 - Fontes:

- Natural Farming - Kyu, Cho Han - Janong Natural Farming Institute, 2003;
- A Natural Farming System for Sustainable Agriculture in the Tropics - Mikkelson, Keith O -  Aloha House, Inc. Filipinas, 2005;
- Applied Natural Farming: Appropriate Technique in Tropic - Tancho, Arnat - Biotec MTEC Tailândia, 2008.

27 comentários:

Eliseu Pinheiro Lopes disse...

Muito bom Neco, também estou nessa luta de mostrar a possibilidade de produção de alimentos naturais sem os venenos que são comercializados hoje em dia, parabéns! Apesar do pouco reconhecimento, o mundo precisa e muito de pessoas iguais a você, continue fazendo sua parte e a natureza com certeza não é tão mal agradecida quanto a maioria dos seres humanos, a única praga verdadeira na face da terra...

Neco Torquato Villela disse...

Olá Eliseu,

Certamente, como vc deve saber, essa batalha é dura, mas, com paciência e ajuda dos amigos, haveremos de semear essas técnicas aos quatro ventos, que são acima de tudo acessíveis a qualquer produtor.

Parabéns a vc pelo seu violão! Fantástico!

Inté!

Sinval silva braga filho disse...

Oi Neco. Já estou na terceira garrafinha. Vou fazer uns testes em estacas para comparar os enraizamentos. Depois te conto os resultados. Abraços

Neco Torquato Villela disse...

Olá Sinval,

Depois vc conta para gente o q deu seus testes!

Inté!

Fraldas ecológica disse...

Olá,achamos o seu Blog muito interessante e gostaríamos de propor-lhe uma parceria.
Somos uma empresa que produz e comercializa produtos sustentáveis como Fraldas Ecológicas e (em breve) Sabonetes naturais.
Poderia nos informar seu e-mail ou outra forma de contato, para poder apresentar-lhe a nossa proposta e ver se está interessada?
Contato: sac@biolinum.com.br

Abnilson Marcolino disse...

Olá, tudo bem? Gostei muito da postagem da CFP. Agradecemos. Que diz sobre essa outra possibilidade: triturar as folhas num liquidificador com água, adicionar o açúcar mascavo, deixar fermentar e depois coar e utilizar? Venho fazendo assim, acha que há algum problema ou observação? Obrigado.

Neco Torquato Villela disse...

Abnilson,

Grato por expor sua experiência!

Não acho que atrapalha em nada, só melhora, pois aumenta o contato das folhas com a água e o açúcar, além de uma melhor homogeneização do todo. Penso que, com isso, vc terá uma diminuição no tempo de fermentação.

Inté!

Luciene F G disse...

Adorei Neco, me apaixonei pelo blog, tem tudo o que eu procurava. Vim pesquisar uma coisa é achei várias outras. Tentarei tudo e voltarei para informar sobre o sucesso. Abraço.

Neco Torquato Villela disse...

Luciene,

Fico muito feliz que as informações aqui postadas tenham lhe servido de algum modo. Isso só me incentiva a pesquisar mais e mais!

Inté!

Luciene F G disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Luciene F G disse...

Boa noite Neco. Ando com uma grande preocupação, na região metropolitana de minha cidade, estão arrancando muitas árvores antigas devido a infestação do cupim e outros parasitas. Não quero ver minha cidade só no concreto, vc teria alguma ideia de produto para salvarmos essas meninas indefesas? As prefeituras só procuram o caminho mais fácil que extermina- las mas quero poder fazer algo. Abraço.

Neco Torquato Villela disse...

Luciene,

Compartilho do seu drama, apesar de morar em uma cidade pequena, onde o verde é pouco presente na zona urbana.

Infelizmente não conheço nada que seja eficiente e prático, que possa ser aplicado em "grade escala".

Mas vou ficar atento durante as minhas pesquisa, se descobri algo, te aviso de pronto!

Inté!

Phillipe disse...

Olá, parabéns pelos seus posts.
Gostaria de saber se a água da torneira de regiões urbanas vem com tanto cloro a ponto de eu não poder usar para misturar o CFP, porque não vejo meios de conseguir àgua não clorada :(

Neco Torquato Villela disse...

Olá Phillipe,

Em casas que vendem produtos para aquário, vc encontra declorador com facilidade. Basta algumas gotas do declorador que a água fica sem o cloro.

Outra opção, é colocar a água que irá usar em um balde, ou bacia (quanto maior a boca do recipiente melhor), e deixar está água neste recipiente por 48 horas, exposta ao tempo, que o cloro evapora-se todo.

Boa sorte e inté!

Anônimo disse...

Neco seu blog é o mais útil para os pequenos produtores. Obrigado pela ajuda !
Tenho um pomar e sempre que vou podar jogo as folhas e galhos para compostagem no chão. Posso ultilizar folhas de cajueiro e mangueira nesse processo do (CFP)
?

Neco Torquato Villela disse...

Olá Anônimo,

Meu foco é este mesmo, tecnologia simples e efetiva para nós pequenos produtores.

Sim, vc pode usar estas folhas, sem problemas. Como elas são menos úmidas por natureza (ao contrário de folhas de confrei e bananeira, que são muito úmidas), vc terá que usar mais açúcar mascavo e deixa mais tempo fermentando.

Grato pela força e inté!

Salomão Silva Oliveira disse...

Muito obrigado mais uma vez;anos atrás tive num artigo seu sobre EM,o meu despertar para um estudo mais aprofundado sobre o tema,e agora tenho em você o primeiro artigo em português sobre sucos de plantas fermentadas,embora já tenha assistido vídeos sobre os fermented plant juice,Porém nada melhor como uma explicação bastante didática na nossa língua.

Um fraternal abraço,

Salomão Oliveira

Neco Torquato Villela disse...

Olá Salomão,

Uso muitos dos princípios de Natural Farming, de Mokichi Okada, e também da Korean Natural Farming nos meus cultivos, já a algum tempo, com muito sucesso! Por isso da produção deste e outros artigos, a fim de disseminar estas técnicas maravilhosas e, principalmente, simples e que funcionam.

Grato pela força e abraços

Rodrigo Ziliotto disse...

Neco,

Como sou vegetariano e tive a ideia infeliz de fazer uma fossa séptica biodigestora que usa estético de gado... acabei tendo dificuldades de conseguir esterco fresco, enfim...

Será que eu poderia obter o mesmo resultado do esterco com o uso de EM e de CFP?

obrigado

Neco Torquato Villela disse...

Olá Rodrigo,

Se a finalidade do uso do EM (ou CFP) é melhorar a digestibilidade da fossa séptica, SIM, vc irá ter mais resultados com este dois.

Para potencializar o efeito, principalmente do EM, vc pode misturar 1:1 soro de leite como fonte de lactobacilos, que são verdadeiros "cavalos de guerra" quando misturados ao EM, pois além de excelentes solubilizadores de vários tipos de moléculas orgânicas, são também ótimos em controlar odores.

Boa sorte e inté!

Rokstein Wuskofuska disse...

Olá,Mato com flores e caules podem ser batidos e aí sim adicionar o mascavo ? O picão por ex;pode?

Neco Torquato Villela disse...

Olá Rokstein,

Se for batido puro, sem água, dá certo sim. Se vc acrescentar água o efeito do açúcar sobre o a matéria verde será minimizado e vc não terá o mesmo produto final.

Inté!

Michele Leite disse...

Olá Neco, achei seu blog por acaso e estou com várias dúvidas. Tenho que apresentar um trabalho na faculdade sobre Biofertilizante, já fiz o experimento e já está pronto. Porém queria saber se ele é utilizado em larga escala, ou somente para pequenos produtores? seria viável utilizar a CFP em cultivo hidropônico?

Neco Torquato Villela disse...

Olá Michele,

O uso da CFP é feito mais por pequenos produtores. Já o uso em hidroponia, não conheço produtores hidropônicos, nem o método de produção, mas acho que não há problema em usar.

Até!

Rokstein Wuskofuska disse...

Confuso aqui ...comparando o comentário do abnilso e sua resposta. Entendi que Mato +açucar+agua...batidos ...funcionam.

Neco Torquato Villela disse...

Rokstein,

Vc pode fazer biofertilizante com qquer tipo de mato, seja invasor ou cultivado. Depois de colher a planta, de acordo com as indicações deste artigo, vc NÃO deve lavá-las, pois o que queremos é preservar os microrganismos que ali vivem. Misturando o mato com água e açúcar mascavo, ou melado, e batendo no liquidificador, depois deixando fermentar, vc terá um tipo de biofertilizante. A questão é misturar os "matos" com água e açúcar, fermentar e ir testando e observando os resultados.

Até!

Neco Torquato Villela disse...

Rokstein,

Se vc acrescentar EM a mistura, o fermentado será mais ativo e com mais bionutrientes.

Inté!